Destaque

Previsão do Tempo

SITE DISPONIBILIZA MAPAS MENTAIS GRÁTIS PARA FACILITAR OS ESTUDOS

De acordo com o blog Novos Alunos, do SEB (Sistema Educacional Brasileiro), nosso cérebro trabalha, basicamente, com três tipos de memória: auditiva, sinestésica e visual. Esta última, por exemplo, pode ser potencializada com a técnica gráfica dos chamados mapas mentais.
 
Trata-se dos resumos coloridos – que viralizam nas redes sociais – em que informações são organizadas de forma que facilite a memorização e aprendizagem do conteúdo. É um exercício para a memória visual feito por muitos vestibulandos na hora de fixar a matéria
 
A página VESTMapaMental disponibiliza uma série de mapas mentais gratuitamente. É possível fazer o download de materiais para estudar química, física, biologia, filosofia, sociologia, geografia, história e redação (clique aqui para baixar).
 
Uma ótima dica para seus estudos, não é mesmo?
 
Fonte: Catraca Livre

EMPRESA OFERECE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL GRATUITO PARA JOVENS!

Jovens estudantes de baixa renda terão a oportunidade de viajar e estudar no exterior sem custo algum por meio da startup “O Bolsista”, que oferece 500 vagas para bolsas de intercâmbio até o fim de 2018.
 
A empresa vai cobrir todas as despesas com passagens aéreas, estadia e alimentação de estudantes do ensino médio ou universitários com mais de 17 anos e 11 meses. Custos com passaportes, vistos e autorizações também serão pagos. A previsão é de que as viagens aconteçam nos períodos de férias escolares.
 
O intercâmbio deve durar entre 15 e 20 dias, com possibilidade de se estender para um mês, em países como Chile e Espanha. No entanto, a ideia é aumentar as opções de destino incluindo os EUA e demais países da América do Sul.
 
Os interessados em concorrer às bolsas precisam fazer uma prova de conhecimentos gerais e redação. O teste será realizado em todas as capitais do Brasil ao longo de 2018 (marcado para 14 de abril em SP, RJ, MG e BA, nos demais estados ainda não se sabe a data).
 
A taxa de inscrição custa R$ 90 (ou R$ 45 para alunos sem condições financeiras), mas as datas se inscrição ainda não foram definidas. Além da prova, os candidatos passarão por um teste de proficiência em inglês ou espanhol (o aluno escolhe o idioma de sua preferência).
 
Em entrevista à Galileu, Elizeu Roberto, fundador de “O Bolsista”, explica que das 500 vagas disponíveis, “100 serão destinadas às pessoas que não têm nada ou quase nenhum conhecimento da língua estrangeira”. A empresa também pagará cursos de língua para jovens com este perfil.
 
Confira mais informações na página da empresa.
 
Fonte: Catraca Livre

MANEIRAS MENOS CONVENCIONAIS PARA APERFEIÇOAR O INGLÊS

Para quem estudou anos a fio para colocar em seu currículo "inglês fluente", manter o idioma ativo sem usá-lo no dia a dia é um grande desafio.  Fazer um intercâmbio e assistir filmes e seriados sem legendas estão entre as dicas mais comuns para você não esquecer o que aprendeu. Porém há outras opções menos convencionais que podem contribuir e muito para fixar o inglês.
 
Já foi comprovado que o cérebro armazena informações conforme o ser humano tem interesse em aprender e reter esses novos conhecimentos. Ou seja, se o que foi aprendido não é colocado em prática, este conhecimento é neutralizado. O que não significa que você esqueça completamente tudo que aprendeu,  mas fica o alerta de que é preciso utilizar esses dados.
 
Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas, que administra mais de 70 escolas em 5 regiões do país, percebeu que muitos alunos, mesmo sendo dedicados e comprometidos, depois de concluir o curso tinham dificuldades para manter a fluência do idioma. Com base nesta informação e nos estudos que realizou nos Estados Unidos, a CEO identificou cinco formas pouco convencionais dos alunos conservarem o idioma aprendido. Confira as dicas:
 
1) Mude o idioma de todos os aparelhos eletrônicos 
 
Uma das formas que o ser humano aprende é visualmente. Esta dica parece óbvia, mas conte pra gente: em que idioma está configurado seu smartphone? Pois é, celular, TV, computador, tablet, GPS são alguns exemplos de aparelhos que você pode e deve deixar em inglês. Num primeiro momento podem surgir dificuldades de compreensão, mas com o tempo você vai se habituar e assim fazer com que essas palavras não fujam do seu vocabulário.
 
2) Acesse sites internacionais
 
Na hora de fazer suas compras on-line pesquise nos portais em inglês. Ao navegar pelos e-commerces você terá contato com o nome dos produtos sem legenda. Outra sugestão também é acessar o conteúdo de portais de notícias como o New York Times, The Huffington Post e tantos outros. A leitura vai estimular seu aprendizado.
 
3)  Forme grupos de discussões de seus temas preferidos 
 
Junte um grupo de amigos que queiram também aperfeiçoar o idioma e que tenham assuntos em comum, como games, livros, viagens e proponha conversas somente em inglês. "Quando você une pessoas com disposição por um tema, o assunto tende a se desenrolar e a gramática, antes adormecido, volta a despertar", comenta Leiza.
 
4) Pratique futebol americano, rugby ou esgrima
 
Esses esportes, em geral, são ensinados por americanos e/ou têm muitos alunos de outras nacionalidades. Além disso, você pode acompanhar os torneios internacionais dessas modalidades e com isso exercitar a audição, uma das formas de aprendizado para aperfeiçoar o idioma.
 
5) Hospede estrangeiros na sua casa
 
Couch Surfing, literalmente "surfe de sofá" é uma rede social que conecta turistas do mundo todo a pessoas que oferecem sem custo um local para os viajantes dormirem. Atualmente a rede conta com mais de 4 milhões de pessoas e você pode escolher um visitante que tenha um perfil similar ao seu, ou seja, se você tem um dia cheio, ocupado de estudos e trabalho, pode optar por alguém que esteja fazendo um congresso ou a trabalho aqui no Brasil. Dessa maneira você conhece novas pessoas, pratica o idioma e ainda aprende um pouco sobre uma cultura totalmente diferente da sua.
 
Fonte: Catraca Livre

5 DICAS PARA VOCÊ TIRAR NOTA MIL NA REDAÇÃO DO ENEM

A pontuação na redação do Enem pode definir suas chances de entrar em uma faculdade. No entanto, alcançar os tão sonhados mil pontos não é nada fácil. Para se ter uma ideia, na última edição do Enem, apenas 77 candidatos tiraram nota máxima, número que corresponde a 0,001% dos 5,8 milhões de alunos que fizeram a prova.
 
Para os estudantes que estão em fase pré-vestibular e desejam tirar mil na redação do Enem, a professora Marina  Sestito, coordenadora de redação do Stoodi (plataforma de educação a distância com foco em Enem e pré-vestibular), preparou uma lista com as cinco principais técnicas para gabaritar na redação:
 
1. Domine as competências que serão cobradas
 
O Enem se baseia em cinco esferas de avaliação para a correção das redações. A primeira e a quarta estão relacionadas à linguagem: a primeira diz respeito ao uso dos recursos formais da língua portuguesa, enquanto a quarta trata do uso dos recursos coesivos necessários à composição do texto. A segunda e a terceira dizem respeito ao conteúdo e a quinta tem a ver com a solução do problema abordado.
 
Competência 1 - "Aqui, o aluno precisa buscar clareza de linguagem e domínio da norma culta da língua portuguesa. É preciso respeitar as regras de concordância, de regência, de pontuação e os aspectos ortográficos. No momento em que o corretor for avaliar esse quesito, além de analisar os erros, também é considerada a frequência em que eles acontecem e a gravidade de cada um deles", comenta Marina.
Competência 2 - "Nesse tópico, será avaliada a composição da redação. É preciso fazer um texto com começo, meio e fim - a famosa sequência 'introdução, desenvolvimento e conclusão' -, contemplando todas as esferas do tema solicitado".
Competência 3 - "Nesta competência é avaliada a argumentação do aluno. Ele precisa justificar todas as afirmações que fizer, com dados concretos e informações relevantes. As tarefas exigidas pela redação do Enem são: relacionar, selecionar, organizar e interpretar. Neste item, portanto, avalia-se a capacidade do candidato de defender um ponto de vista", explica a professora.
Competência 4 - "Aqui, é avaliada a estruturação do texto: a relação entre os parágrafos, a relação entre os elementos de um mesmo parágrafos e os recursos utilizados para retomar as ideias apresentadas em momentos anteriores do texto. Também é recomendado o uso diversificado de recursos coesivos, sem tantas repetições de um mesmo termo", diz a coordenadora de redação do Stoodi.
Competência  5 - "Este é, sem dúvida, o aspecto que mais diferencia o texto Enem dos outros modelos de redação. É nessa competência que será avaliada a capacidade do candidato de apresentar soluções ao problema abordado". Uma boa proposta de intervenção precisa apontar agentes, ações e meios para a efetivação dessas medidas.
 
2. Fale somente aquilo que conhece
 
"É importante que o candidato conheça os elementos trazidos ao texto. Ele precisa buscar informações e referências que dialoguem com a questão discutida. Pode-se utilizar dados da própria prova ou de fatos divulgados pela mídia. Não se pode, de forma alguma, inventar informações e autores", indica Marina.
 
3. Fique atento para não zerar
 
Mais de 206 mil candidatos tiraram zero na redação por deixarem em branco ou faltarem no segundo dia, e outros 84 mil, por infringirem regras ou não seguirem os critérios de avaliação.
 
Segundo Marina, "é comum vermos candidatos zerando a redação por fugirem ao tema, por cópia de texto ou texto insuficiente, e outras  questões  que merecem maior atenção, pois não é permitido propostas que ferem os direitos humanos, deixar recado para o corretor ou fazer brincadeiras. E isso acontece com certa frequência", afirma.
 
4. Organize seu pensamento
 
"Sempre  recomendamos  que  o  aluno  fique no famoso 'arroz com feijão', que faça o básico, sem rebuscar a linguagem, já que isso pode prejudicar muito a clareza do texto, recurso cobrado na competência 1", orienta Marina.
 
Ainda segundo ela, é importante que o aluno identifique o problema que vai ser discutido. "O tema apresentado será sempre focado em problemas que afetam a sociedade. Se o aluno vive no Brasil e está antenado ao que acontece à sua volta, vai saber discutir a problemática trazida como tema do Enem", pontua.
 
5. Otimize seu tempo
 
A professora recomenda que o aluno leve, no máximo, entre 1h e 1h30 para fazer a redação. "É interessante fazer um rascunho e um roteiro argumentativo antes de organizar as ideias em tópicos, o que facilita o raciocínio e diminui o tempo de escrita", diz.
 
Fonte: Catraca Livre

DICAS PARA EQUILIBRAR O CONSUMO DE SAL EM SUAS REFEIÇÕES

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de, no máximo, 5 gramas de sal por dia, o que equivale a uma colher de chá. Isso porque em excesso – assim como quase tudo na vida – o sal pode fazer mal ao organismo.
 
De acordo com o Ministério da Saúde, 70% do sal consumido pelo brasileiro vêm da alimentação feita em casa e 30%, de produtos industrializados. O que significa que é possível encontrar um equilíbrio ao preparar as refeições.
 
Porém, na conta dos 5g diários, também deve-se incluir o sal encontrado nos produtos industrializados. Uma recomendação dos nutricionistas é tornar a leitura dos rótulos um hábito, pois ao observar a quantidade de sódio presente em determinado alimento, fica mais fácil fazer um controle e substituições por outro com menos sódio.
 
Entendendo o rótulo dos produtos
 
A tabela de informação nutricional de cada alimento indica a quantidade de sódio presente nele e não a de sal. E vale lembrar que os dois não são sinônimos, pois 5 g de sal equivalem a cerca de 2g de sódio.
 
Para interpretar a informação das embalagens, se atente à sigla %VD, que significa Valor Diário e indica em percentual o quanto o produto apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta de 2000 calorias.
 
Se na embalagem de qualquer produto, constar o valor 90% do VD de sódio, por exemplo, significa que só esse produto já alcança quase o limite total de consumo diário de sódio.
 
Porém, a nutricionista Marcia Godoy, da Sociedade Brasileira de Hipertensão, lembra que diminuir o consumo de sódio não é apenas verificar a quantidade deste nutriente na tabela nutricional especificada no rótulo. “É preciso consumir a porção recomendada e avaliar se o uso de determinado produto rico em sódio pode representar um dos ingredientes de uma preparação que será consumida por vários membros da família”, explica.
 
Embora mereça atenção, o cloreto de sódio é um mineral considerado essencial em uma dieta equilibrada e para o bom funcionamento do organismo, isso porque ele é capaz de manter o equilíbrio de líquidos dentro e fora das células. Sem ele, o organismo não conseguiria reter líquidos e as células perderiam seu volume.
 
“A manutenção da pressão arterial ideal também é uma função do sódio, desde que o seu consumo não seja excessivo”, explica a nutricionista Marcia Maria Godoy, da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH).
 
Além da regulação da pressão arterial, o sódio também tem papel fundamental no desempenho de outras funções essenciais ao organismo, como a contração muscular, transmissão de impulsos nervosos e ritmo cardíaco.
 
“O sal ainda é a principal fonte de iodo da nossa alimentação. A falta de iodo pode causar uma série de problemas, como hipotireoidismo e abortos espontâneos”, alerta o nutricionista Rodolfo Peres, especialista em nutrição esportiva.
 
Rodolfo também lembra que o sal na quantidade correta é indispensável para quem pratica atividade física diariamente, pois ajuda a repor o sódio perdido com o suor. “Esta perda pode causar desequilíbrio eletrolítico, desidratação, tonturas e baixa pressão arterial”, afirma.
 
Se por um lado, o sal é essencial para o bom funcionamento do organismo, o seu consumo além da conta pode ser um tiro no pé e causar hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e renais. Por isso o equilíbrio é fundamental.
 
Fonte: Catraca Livre

5 MANEIRAS MENOS CONVENCIONAIS PARA APERFEIÇOAR O INGLÊS

Para quem estudou anos a fio para colocar em seu currículo "inglês fluente", manter o idioma ativo sem usá-lo no dia a dia é um grande desafio.  Fazer um intercâmbio e assistir filmes e seriados sem legendas estão entre as dicas mais comuns para você não esquecer o que aprendeu. Porém há outras opções menos convencionais que podem contribuir e muito para fixar o inglês.
 
Já foi comprovado que o cérebro armazena informações conforme o ser humano tem interesse em aprender e reter esses novos conhecimentos. Ou seja, se o que foi aprendido não é colocado em prática, este conhecimento é neutralizado. O que não significa que você esqueça completamente tudo que aprendeu,  mas fica o alerta de que é preciso utilizar esses dados.
 
Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas, que administra mais de 70 escolas em 5 regiões do país, percebeu que muitos alunos, mesmo sendo dedicados e comprometidos, depois de concluir o curso tinham dificuldades para manter a fluência do idioma. Com base nesta informação e nos estudos que realizou nos Estados Unidos, a CEO identificou cinco formas pouco convencionais dos alunos conservarem o idioma aprendido. Confira as dicas:
 
1) Mude o idioma de todos os aparelhos eletrônicos 
 
Uma das formas que o ser humano aprende é visualmente. Esta dica parece óbvia, mas conte pra gente: em que idioma está configurado seu smartphone? Pois é, celular, TV, computador, tablet, GPS são alguns exemplos de aparelhos que você pode e deve deixar em inglês. Num primeiro momento podem surgir dificuldades de compreensão, mas com o tempo você vai se habituar e assim fazer com que essas palavras não fujam do seu vocabulário.
 
2) Acesse sites internacionais
 
Na hora de fazer suas compras on-line pesquise nos portais em inglês. Ao navegar pelos e-commerces você terá contato com o nome dos produtos sem legenda. Outra sugestão também é acessar o conteúdo de portais de notícias como o New York Times, The Huffington Post e tantos outros. A leitura vai estimular seu aprendizado.
 
3)  Forme grupos de discussões de seus temas preferidos 
 
Junte um grupo de amigos que queiram também aperfeiçoar o idioma e que tenham assuntos em comum, como games, livros, viagens e proponha conversas somente em inglês. "Quando você une pessoas com disposição por um tema, o assunto tende a se desenrolar e a gramática, antes adormecido, volta a despertar", comenta Leiza.
 
4) Pratique futebol americano, rugby ou esgrima
 
Esses esportes, em geral, são ensinados por americanos e/ou têm muitos alunos de outras nacionalidades. Além disso, você pode acompanhar os torneios internacionais dessas modalidades e com isso exercitar a audição, uma das formas de aprendizado para aperfeiçoar o idioma.
 
5) Hospede estrangeiros na sua casa
 
Couch Surfing, literalmente "surfe de sofá" é uma rede social que conecta turistas do mundo todo a pessoas que oferecem sem custo um local para os viajantes dormirem. Atualmente a rede conta com mais de 4 milhões de pessoas e você pode escolher um visitante que tenha um perfil similar ao seu, ou seja, se você tem um dia cheio, ocupado de estudos e trabalho, pode optar por alguém que esteja fazendo um congresso ou a trabalho aqui no Brasil. Dessa maneira você conhece novas pessoas, pratica o idioma e ainda aprende um pouco sobre uma cultura totalmente diferente da sua.
 
Fonte: Catraca Livre

Publicidade

Fusionweb 

O melhor streaming para Rádio e Tv na Internet.

Hospedagem e desenvolvimento de Sites.

CLIQUE AQUI!

Ou ligue 41-3093-9979